terça-feira, 8 de agosto de 2017

Amo-te


(imagem daqui)

Amo-te porque te quero,
porque ainda te acaricio
com a doçura dos meus olhos.
Amo-te porque te desculpo
falhas que só o amor sabe ignorar.
Amo-te porque te respeito,
te admiro e te desejo.
Amo-te porque me amas,
pois, por mais que te amasse,
nada deixaria que mendigasse
migalhas do teu amor.
Amo o meu amor próprio,
aquele que te sabe amar.
aquele que te compreende,
aquele que te sabe desejar,
aquele que ainda te surpreende.
Amo-te como te sei amar!
                                           Célia Gil

quarta-feira, 2 de agosto de 2017

Verão

O verão é a minha estação preferida, por razões diferentes, a par da primavera.

Gosto do verão, da acalmia dos dias, da tranquilidade, de poder descansar para retemperar energias, que serão tão necessárias para o novo ano de trabalho que aí vem!

Gosto do sol, da piscina, do mar e das leituras que tenho tempo para fazer.

Gosto de poder dormir sem ter de me preocupar com as horas. 

Gosto até de ter tempo para organizar tudo, limpar e dar novo brilho e cores ao lar.

Gosto da fruta madura, sumarenta a sorrir-nos nas árvores, dos gelados, dos refrescos.

Gosto dos petiscos, de ser dia até mais tarde, de aproveitar melhor cada momento do dia.

Gosto de passear, de estar com os meus filhos e o meu mais que tudo.

Gosto definitivamente do verão. Tempo de:
Ler, dar um mergulho, beber um refresco ou até um gin.


Comer uma fruta sumarenta e fresquinha


Brincar com as pedras da praia

São realmente coisas boas!

Aproveito para deixar uma proposta de leitura, que nos faz tão bem e nos enche a alma:



Com a morte dos seus pais, dois famosos ambientalistas, num acidente de viação, Kara Whittenbrook, que crescera entre a selva amazónica e os mais prestigiados colégios da elite americana, é herdeira de uma vasta fortuna e de um segredo que mudará para sempre a sua vida e a fará procurar a sua essência. Ao descobrir em documentos guardados pelos pais que foi adotada, decide partir com o intuito de conhecer os seus pais biológicos. Um incidente leva-a ao rancho onde eles trabalham. São, segundo o rancheiro que lhes dá emprego (Ben), gente singular (Mac e Lily). Com o objetivo de conhecê-los e descobrir os motivos que os levaram a dá-la para adoção, aceita ficar a trabalhar no rancho, onde acaba por se sentir cada vez mais próxima de toda a gente singular que ali trabalha. São pessoas com necessidades especiais e que Bem empregou, por acreditar na integração, talvez por ter um irmão (Joey) com Síndrome de Down, que nos cativam a cada parágrafo da história. Puros, genuínos, alegres e fascinantes. São personagens que sentimos vontade de abraçar, que nos levam a chorar quando nos tocam com a sua ingenuidade tão sábia e tão pura. Vemo-nos a desejar que sejam felizes e protegidos para sempre.
Kara torna-se para eles no seu amuleto da sorte. Para os ver felizes, acaba por treinar uma égua, à qual deram o nome de Estrela, que tinha sido resgatada da morte, considerada desobediente e violenta. Kara descobre que a felicidade não está apenas no que os livros lhe ensinaram. As coisas mais simples podem constituir um poço de sabedoria, para além de transmitem valores tão importantes como a amizade e a tolerância.
Mas como poderá Kara confessar a Ben que não é Karen, como se apresentara no rancho, que é milionária e que é filha de Mac e Lily, e que está irremediavelmente apaixonada por ele?

Deborah Smith é uma das autoras americanas mais lidas em todo o mundo: a sua obra já vendeu mais de três milhões de exemplares. Nomeada para diversos prémios importantes, como o RITA Award da Romance Writers of America e o Best Contemporary Fiction da Romance Reviews Today, foi distinguida com o Prémio de Carreira atribuído pela Romantic Times Magazine. No catálogo da Porto Editora figuram os seus romances A Doçura da Chuva Segredos do Passado e Milagre , que obtiveram assinalável êxito junto dos leitores portugueses.

Bom verão e boas leituras!
                                     
                                           Célia Gil